ORIGEM DO SOBRENOME


'B O T T E G A'

No ano de 476 da Era Cristã, com a queda do Império Romano, os ancestrais da família Bottega encontravam-se vivendo sobre o governo de um guerreiro germânico chamado Odoacro. Odoacro foi suplantado antes do século 0 por Teodorico, líder dos Ostrogados. Tendo sido educado em Constantinopla, Teodorico colocou um alto valor na civilização romana e presidiu sobre o que veio a ser descrito como um “Verão Indiano” para os romanos. Após sua morte, surgiram tumultos e o imperador bizantino Justiniano agarrou a oportunidade de governar a Itália, colocando a península em décadas de guerra. Embora o governo pelas tribos germânicas que começaram na Itália em 476 com o supracitado Odoacro, não foi senão até a conquista lombarda no século VI que os italianos, incluindo os ancestrais da família Bottega, estavam para sentir os efeitos da cultura e costumes germânicos as quais tinham começado a influenciar a sociedade italiana, tendo em vista a proliferação de nomes pessoais germânicos.

O grande historiador suíço da Renascença, Jacob Burckhardt, atesta que aquele tumulto político sofrido pelos italianos após a queda do Império Romano não atrapalhou sua criatividade artística ao dinamismo econômico. A Itália era de fato o centro cultural e comercial do oeste da Europa, através dos séculos XIII ao XVI, com muitos dos admiráveis membros da família Bottega, contribuindo para esses sucessos comerciais e artísticos. A Itália era a casa de figuras como Dante, Bocácio, Da Vinci, Miguel Angelo, Escarlate, Divaldi, todos os quais ajudaram a definir a civilização do Oeste. A eventual unificação da Itália , que somente ocorreu em 1870, foi o produto de um movimento conhecido como o “Risorgimento” (“Ressurgimento”), liderado pelos Piedmonteses sob a casa de Savoy que viria a ser mais tarde a casa governante da Itália para quem, com certeza, a família Bottega prestou lealdade.

Embora hoje em dia a maioria da população da Itália fale o italiano, apesar do uso de diversos dialetos regionais, ainda existentes nos confins da Itália, nós encontramos minorias como gregos, albanos, eslovenos, germânicos, catalães e friulianos, cada um dos quais com suas distintas linguagens, cultura e, é claro, nomenclatura. Portanto, a família Bottega tem aproveitado ávida através dos séculos num país enriquecido pela diversidade de línguas e culturas. E naturalmente, a emigração de milhões de italianos para as Américas do Norte e do sul resultou em cultura italiana, tais como arte culinária, e de fato nomes de família que se espalharam nessas regiões.

O nome da família italiano Bottega é classificado como sendo de origem ocupacional. Pode-se dizer que os mais antigos e mais interessantes sobrenomes são os derivados da ocupação de seu portador original. Sobrenomes ocupacionais têm provido o que tem sido descrito por eruditos como “um inventário dos negócios comuns da Europa Medieval”. Tais sobrenomes nos oferecem uma rápida olhada na vida diária de nossos antepassados. Com respeito ao nome de família Bottega, a sua origem reside no termo “bottega”, significando “loja” ou “armazém”, a seu turno derivado do latim “apotheca” e do grego “apotheke”. Portanto, podemos imaginar o portador original deste sobrenome como um lojista. Devemo-nos lembrar de que, já nos séculos X e XI, nomes de família estavam em uso entre os cidadãos de Veneza. Entretanto, a sua adoção pelo resto da Itália levou aproximadamente 800 anos com o centro e o norte do país onde os empregaram extensivamente e o sul e Sicília que os adotaram após um longo período de tempo.

Variantes do sobrenome Bottega incluem Bottegari. Uma das mais antigas referencias a este sobrenome, ou à sua variante, é o registro de Francesco Bottegari, poeta mencionado em 1545. Notáveis portadores do sobrenome Bottegari incluem Cosimo Bottegari, um compositor citado em 1575. Evidência do sobrenome Bottega no Novo Mundo é substanciada por “Italianos para a América”, onde se vê que Giuseppe Bottega, 41 anos de idade, chegou a Nova Iorque e 5 de maio de 1891, a bordo do “Chandernagor”, que zarpou de Nápoles. Contudo, este sobrenome já pode ter sido introduzido na América em data anterior. Na falta de documentação pertinente a um escudo de armas para esta família,as descritas abaixo são as de Savoy, formadores da Família Real da Itália.

Sob o sistema de nomenclatura romano, o distinguido fundador da linhagem Bottega deve ter sido identificado por um nome tripartido consistindo de seu nome pessoal, o nome dos “gens” ou “linhagem” a qual pertencia, e o cognome que distinguia a sua família de outras com os mesmos “gens”. Com a queda do Império Romano no século IV, voltou a ser costumeiramente empregado somente o nome pessoal e o cognome, omitindo-se o nome dos gens na maioria dos casos. As tribos germânica que então ocupavam a Itália, favoreceram a prática de se usar um simples nome pessoal, e a família Bottega juntamente com outras famílias, sem dúvida abandonariam seus nomes romanos tradicionais por esses usados por seus novos governantes. Durante a Idade Média, quando os sobrenomes italianos, como o da notável família Bottega, estavam se formando, as tradições heráldicas italianas também estavam tomando forma. Uma dessas tradições foi aquela de se colocar uma carga sobre o escudo que aludia a um certo evento histórico. Por exemplo, aqueles membros da família Bottega que podem ter tomado parte no conflito entre Guelfos e Gibelinos, devem portar uma faixa, indicando o lado apoiado. Portanto, membros da família Bottega não só portam um nome distinto mas também o que cada qual significa, a história, a coragem e os feitos dos que orgulhosamente o portaram nas gerações passadas.

BRASÃO DE ARMAS: De vermelho, uma cruz de prata.
Tradução: Vermelho denota magnanimidade e fortaleza militar.
TIMBRE: Uma águia estendida de negro, coroada de sua cor.
ORIGEM: Itália.

FONTE: The Historical Research Center